Escolha uma cor para o fundo:  


Lição 30 - Haverá mesmo um Juízo Investigativo?
Texto Básico: Apocalipse 20:7-15 // Verso Áureo: II Timóteo 4:8

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO
A prisão deste personagem tem certas relações com o Reino Milenar de Cristo, pois, é durante este período que esta ocorrerá. Por esta razão, ficam em apuros os amilenistas e os pós-milenistas que, na tentativa de dizer que Jesus já está reinando, tem que achar um meio de provar que satanás está preso. Mas, com tanto aumento de pecado e injustiça, as duas coisas são impossíveis de serem provadas. Se Jesus já estivesse reinando e o diabo preso, o mundo certamente não estaria como está, de mal a pior. Sofrem também os seguidores de Russel, que advogam um reino de Cristo desde 1914. Por isso, entendemos que Jesus está reinando sim, mas nos corações do fiéis e que ainda não vivemos o reino milenar.

QUESTIONÁRIO
1. Para Deus conhecer as condições espirituais dos remidos, depende de um juízo investigativo?
De forma alguma. Deus conhece os seus (II Tim. 2:19).

2. Segundo o adventismo, qual é a finalidade do tal juízo?
“Assistido por anjos celestiais, nosso grande Sumo Sacerdote entra no lugar santíssimo, e ali comparece à presença de Deus a fim de se entregar aos últimos atos de Seu ministério em prol do homem, a saber: realizar a obra do juízo de investigação e fazer expiação por todos os que verificarem com direito aos benefícios da mesma.” (O Grande Conflito, pág. 484).
“Durante dezoito séculos este ministério continuou no primeiro compartimento do santuário. O sangue de Cristo, oferecido em favor dos crentes arrependidos, assegurava-lhes perdão e aceitação perante o Pai; contudo, ainda permaneciam seus pecados nos livros de registro.(...) a purificação real do santuário celeste deve efetuar-se pela remoção, ou apagamento, dos pecados que ali estão registrados. Mas antes que isto possa se cumprir, deve haver um exame dos livros de registro para determinar quem, pelo arrependimento dos pecados e fé em Cristo, tem direito aos benefícios de Sua expiação."...ao terminarem em 1844 os 2300 dias, entrou Ele então no lugar santíssimo do santuário celeste, a fim de levar a efeito a obra final da expiação, preparatória à Sua vinda.”. (Idem pág. 420, 421).(...) Os que no juízo forem havidos por dignos, terão parte na ressurreição dos justos...” Idem 486.

3. Que outros detalhes temos sobre este juízo do adventismo?
“Ao abrirem-se os livros de registro no juízo, é passada em revista perante Deus a vida de todos os que creram em Jesus. Começando pelos que primeiro viveram na Terra, nosso advogado apresenta o caso de cada geração sucessiva, finalizando com os vivos. Todo o nome é mencionado, cada caso minuciosamente investigado. Aceitam-se nomes e rejeitam-se nomes. Quando alguém tem pecados que permanecem nos livros de registro, para os quais não houve arrependimento nem perdão, seu nome será omitido do livro da vida, e o relato de suas boas obras será apagado do livro memorial de Deus.” (...)Vivemos hoje no grande dia da expiação...examinará Ele o caso de cada indivíduo, com um escrutínio tão íntimo e penetrante como se não houvesse outro ser na Terra. Cada um deve ser provado, e achado sem mancha ou ruga, ou coisa semelhante...O juízo ora se realiza no santuário celestial. Há muitos anos esta obra está em andamento. Breve, ninguém sabe quão breve, passará ela aos casos dos vivos...Quando encerrar a obra do juízo de investigação, o destino de todos terá sido decidido, ou para a vida, ou para a morte. O tempo da graça finaliza pouco antes do aparecimento do Senhor nas nuvens do Céu.” Idem, 486, 493, 494. “A vida de cada crente é minuciosamente examinada. Há possibilidade de até mesmo algum crente, ter pecados não perdoados e ser rejeitado. Começando pelos mortos, não se sabe quando alcançaria os vivos. A decisão final da salvação depende disto e ninguém hoje pode ter certeza de nada. Este processo terminará pouco antes de Jesus voltar.”
Como é diferente o ensino das Escrituras! Na cruz Jesus cumpriu tudo para nos salvar. Não fez nada pela metade! Já somos salvos e não dependemos ou entramos em juízo (João 5:24; Rom. 8:1). A partir do “está consumado”; Ele sendo consumado, aperfeiçoado (João 19:30; Mat. 27:51) e a abertura do véu do Templo, todos os pecados sob o velho pacto e dos que criam, estavam cancelados (Heb. 9:15). Os crentes eram batizados e tinham seus pecados apagados no ato (Atos 2:38).

4. De acordo com a Palavra, via Deus a necessidade de um juízo para identificar seus servos?
Paulo disse que desde aquele momento, já lhe estava guardada a coroa. A Palavra testifica que Abel, Enoque, Noé, Abraão e outros já tinha alcançado testemunho de que agradaram a Deus. “Todos estes morreram na fé, sem terem recebido as promessas, mas vendo-as de longe e crendo-as e abraçando-as... E todos estes tendo tido testemunho pela fé...” (Heb. 11:13, 39). “Mas o que tendes retende-o...Guarda o que tens...”(Apoc. 2:25; 3:11).

5. Onde está Jesus e que trabalho exerce relativo aos santos?
Jesus, desde Sua ascensão se encontra no Santíssimo assentado à direita do Pai (Heb. 10:12). Exerce um trabalho sacerdotal como nosso advogado e mediador, intercedendo por nós (Heb. 4:14-16; 5:9: 7:25; I João 2:1,2). Não está julgando a ninguém, pois isto só ocorrerá em Sua vinda e no Seu reino (II Tim. 4:1).

6. Por que mais é absurda a idéia deste juízo?
Porque com um único sacrifício, ou oblação, concluída na cruz, Jesus aperfeiçoou para sempre os santificados e, uma vez remidos, não entram em juízo e Deus não se lembra mais de seus pecados (Heb. 10:14-18; João 5:24). Como pode alguém aperfeiçoado, ainda depender deste juízo? Que perfeição é esta? Que esquecimento é este que se abrem livros e se relembram as más obras?

CONCLUSÃO
A doutrina do juízo investigativo complementa uma série de erros do adventismo e lança por terra grandes verdades bíblicas. Anula a CONCLUSÃO da salvação na cruz, deixando para 1844 a purificação dos pecados. Sugere uma oferta constante de sangue, quando a oblação de Cristo foi uma única. Rememora por dezenas de anos os pecados do povo de Deus, que a Palavra diz estarem esquecidos para sempre.


Para mais informações:
benepocas@msn.com
Ou ligue para Min. Benedito Poças
Telef: (0XX)68.3222-7636

Voltar