Escolha uma cor para o fundo:  


Lição 46 - Trinitarismo, Dualismo e Unicismo

Objetivo da LIÇÃO
Num breve estudo, despertar a atenção dos sinceros para um aprofundamento e pesquisa neste assunto que, embora não pareça de muita importância, tem comprometido muita gente com o anti-cristo e suas falsas doutrinas

INTRODUÇÃO
Assunto de séculos e de muitos concílios esta matéria merece ser analisada com muito cuidado. As religiões tem assumido alguma destas posições sem realmente entender o comprometimento com o erro, pois tais definições doutrinárias chegam a neutralizar a obra vicária de Cristo, como veremos mais tarde. O cristianismo verdadeiro não é uma religião politeísta. Seqüência do judaísmo, deve se manter monoteísta, sob pena de somar forças com as religiões idólatras que tinham vários deuses. A trindade do IV século, diferentemente de hoje, cuidava para não parecer triteísta. Hoje seus adeptos defendem Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo, como distintos, havendo até mesmo os que dirigem orações ao Espírito Santo. Poucos tem Jesus como Mediador e se dirigem a Deus. Oram direto a Jesus e, não sabemos o porquê, no próprio nome de Jesus. Na verdade estão perdidos, não sabem a quem se dirigir, não discernindo nada. Vamos estudar e conhecer melhor o assunto.

QUESTIONÁRIO
1. Quando a trindade começou a se firmar como doutrina e qual é sua definição?
No Concílio de Nicéia em 325 d.C e seu principal defensor foi o arcediago Atanásio. Vejamos a definição:
“O Dogma da Trindade - A trindade é o termo empregado para indicar a doutrina central da religião cristã - a verdade de que na divindade há três pessoas, o Pai, o Filho e o Espírito Santo, estas Três Pessoas sendo realmente distintas uma da outra. Assim, nas palavras do credo Atanasiano: `O Pai é Deus, o Filho é Deus, o Espírito Santo é Deus; e, no entanto, não são três deuses, mas Deus é um só.'” - The Catholic Encyclopedia - 1912 - Vol. XV - pg. 47.
“Os crentes comuns, e até mesmo a maioria dos mestres cristãos, se fossem solicitados a definir a trindade, apresentariam uma definição «triteísta», e não uma definição «trinitária». ” Enciclopédia de Bíblia e Teologia, Vol. 6, pg. 626.
Russel diz isto porque os trinitarianos persistem em afirmar que as “três pessoas” são «distintas». Aí é triteísmo mesmo!

2. Que é triteísmo?
Crença em três deuses. Segundo Russell Normam Champlin em sua Enciclopédia de Bíblia e Teologia, os mórmons são triteístas, defendendo três deuses distintos, mas esta doutrina está bem presente na trindade de muitos ministros protestantes.

3. Que é panteísmo?
Palavra grega pan, = tudo + théos, = deus. Como própria palavra define, “tudo é Deus”. Deus é a cabeça da totalidade e o universo, o mundo todo, todas as coisas, é Seu corpo. O finito e o infinito é a mesma coisa e o universo passa a ser auto-existente. Portanto, tudo é Deus. A crença panteísta está presente no hinduísmo, no budismo e em outras religiões orientais.

4. Quanto à divindade, qual era a fé do povo judeu?
Monoteísta. Do grego monos, «único» + théos, «Deus», significa a crença em um único e verdadeiro Deus, não se admitindo que hajam outros «deuses». O «henoteísmo» admite a existência de vários deuses, embora entenda que somente um possa e deva ser adorado como Deus.

5. Qual era a relação entre gnósticos e o docetismo?
A palavra docetismo vem do grego dokéo = parecer. Diz-se que o docetismo era uma crença dentro do gnosticismo que imaginava ser Jesus irreal, possuindo um corpo como uma sombra ou um fantasma; uma espécie de representação teatral e não um corpo humano. Negavam portanto a humanidade de Jesus, tendo-a apenas como «aparente». Os gnósticos criam que a matéria era o próprio princípio do pecado e que um ser mais elevado ou divino não poderia estar envolvido com a matéria. A trindade de hoje incorpora a idéia, apresentando um Jesus Deus-homem, de humanidade duvidosa.

6. Que pretende defender o dualismo?
O dualismo se difere da trindade no fato de reconhecer que o Espírito Santo não é uma pessoa, mas segue na fé docetista de que Jesus seguiu sendo Deus aqui na Terra, dupla natureza, etc.

7. De onde vem o unicismo e que ensinam seus defensores?
Doutrina com origem em Sabélio, um teólogo nascido na Líbia, que viveu no III século. Ensinava uma única essência divina que operaria mediante três manifestações temporárias e sucessivas: como Pai, como Filho e como Espírito Santo. Também conhecida por «modalismo», a doutrina combate tendências politeístas e defende Jesus como sendo o próprio e único Deus. Diz que quando Jesus orava, era Sua natureza humana orando à divina. Nega Jesus como Mediador e é extremamente docetista, pois considera Jesus sempre como Deus. Logo Ele não podia ser tentado, tampouco morrer por nós.

8. Pode o Espírito Santo ser considerado uma pessoa?
Não. Espírito na Bíblia é sopro, fôlego ou poder. O Espírito Santo é o próprio Deus ou Seu poder manifesto entre nós.
O Espírito foi derramado (Joel 2:28) -> Encheu as pessoas (Atos 2:2,4) -> Gerou Jesus em Maria (Mat. 1:20) -> Não se fala em trono do Espírito.


Para mais informações:
benepocas@msn.com
Ou ligue para Min. Benedito Poças
Telef: (0XX)68.3222-7636

Voltar